Sábado, 28 de Junho de 2008

Rota do Covão D'Ametade

28 e 29 de Junho


Com um fim de semana livre e com este Trecking já agendado a algumas semanas, rumámos em direcção a Loriga no Parque Natural da Serra da Estrela em busca de novas sensações, ritmos e ambientes, utilizando para isso uma caminhada de longa distância e difícil na mais elevada serra de Portugal em autonomia total e em dois longos dias onde seria indispensável muita resistência física e psicológica pois seriam 2 dias seguidos a caminhar com uma grande e pesada mochila às costas num percurso muito exigente e também muito técnico.

Esta zona montanhosa proporciona caminhadas com paisagens espectaculares e natureza marcada por vales e covões glaciares a elevada altitude.

 


Para o 1ºdia programámos o início em Loriga e a ascensão ao longo da Garganta de Loriga até ao Cântaro Magro e a descida até ao Covão da Ametade onde acampávamos para no 2º dia fazermos o regresso no sentido contrário. Contávamos com cerca de 13 a 15 Kms(desnível de 1090m a subir) e aproximadamente 9h de percurso.

Dia 1

6H30 – Partida de Leiria

9H00 – Chegada a Loriga



9H53 – Depois de alguns imprevistos a nível de material e localização chegámos ao estradão que nos levaria até à Garganta de Loriga.

www.360portugal.com/Distritos.QTVR/Parques_Naturais.VR/Serra_da_Estrela/20VR_Loriga.html

12H33 – Com uma temperatura adversa (39graus) e depois de alguns kms perdidos do trilho correcto e já com 2H39 de percurso encontrámos uma única sombra onde aproveitámos para repousar e comer alguma coisa.

 


www.360portugal.com/Distritos.QTVR/Parques_Naturais.VR/Serra_da_Estrela/20VR_Loriga.html


14H15 – Com 4H23 de percurso e com um calor quase insuportável chegámos a um grande vale onde encontrámos 2 pastores com um rebanho de cabras e nos convidaram para nos abrigarmos à sombra das rochas e nos indicaram que seriam mais uma longas horas até ao nosso destino, o Covão da Ametade.

www.360portugal.com/Distritos.QTVR/Parques_Naturais.VR/Serra_da_Estrela/8VR_CovaoNave.html
 
 
 
 

15H36 – Já nos 1646m de altitude chegámos á Barragem do Covão do Meio e deixámos para trás a etapa mais difícil e técnica, era agora tempo de um breve repouso e cálculos pois a água que levávamos para o primeiro dia já se esgotava.

www.360portugal.com/Distritos.QTVR/Parques_Naturais.VR/Serra_da_Estrela/7VR_LagoaSerrana.html

17H05 – Chegada ao Cântaro Magro (1929m), local de rara beleza e onde nos deliciámos a refrescar nas águas deste lago.
A partir daqui e segundo os nossos cálculos já seria perto do local de acampamento mas alguns kms à frente nos apercebemos que estávamos na direcção errada e bem longe do destino. Já só com água suficiente para o 2º dia e também já com bastante cansaço acumulado resolvemos dirigirmo-nos até à torre para nos abastecermos de água e aí também descansarmos e avaliar a localização.

www.360portugal.com/Distritos.QTVR/Parques_Naturais.VR/Serra_da_Estrela/4VR_CantaroMagro.html

18H54 – Chegada à Torre.

www.360portugal.com/Distritos.QTVR/Parques_Naturais.VR/Serra_da_Estrela/21VR_Torre.html

21H45 – Chegada à Nave de Santo António. Deparámo-nos com uma casa abrigo de montanha onde decidimos passar a noite para retomarmos percurso no seguinte dia.


Dia 2

6H05 – Depois de uma noite onde nem os morcegos faltaram para nos fazerem companhia era agora tempo de iniciarmos o percurso de regresso a Loriga.
Esta primeira parte do percurso era caracterizada por uma abrupta subida até à torre onde depois iniciariamos a longa e muito técnica descida da Garganta de Loriga até à civilização.

7H40 – Já com parte da dolorosa e longa ascenção efectuada e com a torre à vista, era agora tempo para a primeira pausa do dia e um merecido pequeno almoço.
 

8H37 – Com 2H15 de caminhada e já a poucos metros da torre e para nosso grande espanto encontrámos um local onde ainda havia gelo e logo registámos esse momento em foto.

8H53 – Chegáda à torre e inicio da descida.


12H09 – Aproveitando a sombra dos únicos pinheiros que encontrámos neste segundo dia fizemos uma breve paragem para recuperação e para almoço (5H47 de percurso).


13H21 – Com 6H59 de caminhada e muito cansaço acumulado chegámos a Loriga.

Alguns números interessantes:

19 – 19H tempo total de caminhada nos 2 dias.

2 – 2 Magníficos aventureiros

2 – 2 Pastores e únicas pessoas que encontrámos ao longo de toda a garganta de Loriga

9 – 9 litros de água consumidos nos 2 dias

17 – 17 kg distribuidos pelas 2 mochilas
 
 


publicado por aventura100limites às 22:54
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
 O que é?
Terça-feira, 10 de Junho de 2008

Rota das Quebradas

Agendada estava esta rota com inicio em S.Martinho do Porto e final em Foz do Arelho mas depois de alguns contratempos e imprevistos de última hora os meus colegas de aventuras acabaram por ficar impossibilitados de participar nesta rota.

Ainda assim, decidi partir sózinho e dar uma “volta” por S.Martinho.


Assim apanhei o comboio em Leiria pelas 7H15 para esta curta viagem.

 



Cerca das 7H50 já me encontrava em plena marginal de S.Martinho numa manhã cheia de sol e que se adivinhava calorenta.

Ainda sem saber ao certo qual a direcção a tomar abandonei a Rota préviamente definida.

Decidi dirigir-me para norte de modo a subir a encosta desta povoação e entrar nos trilhos. Já bem no cimo da encosta e de deixar o asfalto deparei-me com alguns trilhos que percorriam as falesias e assim continuei a progressão para norte.



Mais uns kms e o trilho começava a ter piso mais irregular e a encontrar também alguns singletracks mais técnicos mas também mais interessantes e sempre com vista sobre o mar do lado esquerdo e a serra com alguns moinhos à direita.


Pelas 10H30 e já com 2H30 de caminhada avistei a praia do Salgado e ao fundo a Nazaré e aí decidi qual seria a rota a cumprir, continuar nos trilhos pela serra em direcção aos moinhos e depois terminar na Nazaré e fazer o regresso a Leiria de autocarro ou esperar por uma boleia.

A partir daqui o percurso já não era tão interessante, os singletracks e trilhos deram lugar a estradões mas por sua vez os desníveis eram mais acentuados e o calor também não facilitava.



Depois de passar os moinhos ainda encontrei uma pequena aldeia abandonada e a partir daí foi sempre a descer em direcção à igreja de S. Guião.
Daí foi sempre a seguir o estradão para terminar os últimos kms em asfalto na estrada nacional que liga Famalicão à Nazaré.

5H10 foi o tempo total deste percurso com o final em plena marginal da Nazaré.

 

Marco

 


publicado por aventura100limites às 22:46
link do post | comentar | favorito
 O que é?
free counter

.pesquisar

 

.arquivos

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Julho 2014

. Abril 2014

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.Membro da Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada

http://www.fpme.org/

visitante

contador visitante
Aventura Limites

Cria o teu cartão de visita

.Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


.subscrever feeds